27 de outubro de 2020   
>> PÁGINA INICIAL/TEXTOS
..:. TEXTOS

(Continuação)

Lançar os fundamentos da indústria da lã. Povoar de peixes os lagos e os rios. E sobretudo seguir na senda do que já está feito: em estradas, em caminhos-de-ferro, na aviação, em estudos técnicos. Não desprezando o que pareça de somenos: uma pobre erva da nossa África, adaptada na Argentina, tem sido fonte de riqueza. O carvão de Tete, os óleos, as resinas, os adubos, os sacos, as cordas, as lãs, a criação (Sir Henry Johnston aproveitou com êxito as famosas galinhas pintadas da Guiné) são outras tantas parcelas de riqueza a juntar às mais conhecidas também: o açúcar, os frutos, o milho, o algodão.
Sobejasse-me o tempo. E ainda continuaria a viagem.
Na Índia: a exploração dos coqueiros, o fabrico de tecidos a óleos, as pescarias, os adubos, o manganés, a energia hidroeléctrica – não são outros tantos capítulos do seu progresso económico?
Em Macau: não há todo um mundo de direcções novas, para depois da guerra, relativas ao seu empório comercial, como centro distribuidor dos produtos pelo Extremo Oriente? Não poderia a cidade ser um centro também de recrutamento de artífices: artífices das sedas, dos jardins e da construção? Os jardineiros famosos de Macau!
Em Timor: além do petróleo – o café, a criação de cavalos, a pesca, a borracha, a palmeira, o sândalo, os óleos, as madeiras – não são, por sua vez, de estimular e acarinhar?
Disse… a palavra Timor.
É um lugar sagrado, como os outros.
Mas nem foi preciso ir tão longe. O que se fez, somado, já deixou ou equilibrar ou melhorar sensivelmente as balanças de comércio. Com privações, na outra lauda, eu sei, à mistura. Virtudes também…
O pior foi que, vinda a guerra, não pôde prosseguir-se no mesmo ritmo. Outros trabalhos. Acudir ao mais instante. À desorganização dos preços. À disciplina da produção que deve atender agora, não ao mais remunerador, mas ao mais necessário. À superabundância – e à escassez dos géneros. À falta de sacaria. Ao mar meio fechado. À falta de transportes. À falta de «navicerts». À conquista de mercados novos.
Ao mais custoso, porém, se tem feito frente com denodo. As colónias vão alimentando o habitante, escoando produtos, intensificando produções, socorrendo a Metrópole.
Como dizia o abade Syeyès: Vamos vivendo.
Falta a guilhotina. Mas os reflexos da guerra têm sido coeficiente de envergadura para avolumar a empresa.

(Continua)


Lugar e destino de Portugal: a Nau e a Tormenta (15)

Lugar e destino de Portugal: a Nau e a Tormenta – conferência feita na Sala de Portugal da Sociedade de Geografia de Lisboa, em 9 de Maio de 1942. Na sessão solene de encerramento da «Semana Colonial» - Fernando Emygdio da Silva, prof. da Faculdade de Direito

Consultar todos os textos »»

 
Música de fundo: "PILGRIM'S CHORUS", from "TANNHÄUSER OPERA", Author RICHARD WAGNER
«Salazar - O Obreiro da Pátria» - Marca Nacional (registada) nº 484579
Site criado por Site criado por PRO Designed :: ADVANCED LINES