13 de julho de 2020   
>> PÁGINA INICIAL/TEXTOS
..:. TEXTOS

Não sei que perspectivas exactas o futuro nos reserva a todos.
Em 1917, Clémanceau, presidente do Conselho, assediado pelo tumulto das invectivas e das conjecturas, teve um dito que ficou famoso e, sibilando na câmara e na voz do domador, bastou para fazer à sua volta o silêncio e o vazio.
- Je fais la guerre.
O Tigre parecia não querer olhar para diante.
Bastava-lhe o trabalho de cada dia.
Penoso também é hoje o quotidiano lavor, mesmo para aqueles, raros, raríssimos que, como nós, não foram ainda, mercê de Deus, chamados a fazer esta guerra. É que desta vez o planeta quási inteiro está em fogo – e em cada instante, nos quatro cantos do mundo, há uma palpitação de angústia. Quási mesmo já se não vê em volta.
Quere-me parecer, quando a voz de comendo é de resistir – resistir para não ser desfeito – só o imperativo moral nos pode dar a força e a fé.
Aquele landim, que fazia a guarda no nosso pavilhão de Paris, e talhou para o destino português a sua réplica formal e transparente, encontrou a única resposta que temos a dar a quem perguntar por nós.
Portugal não tem só que guardar o que é seu porque o descobriu e porque o criou.
Portugal tem sobretudo que preservar, em função do bem universal, o que forma o seu património inconfundível: a vocação colonizadora.


Lugar e destino de Portugal: a Nau e a Tormenta (02)

Lugar e destino de Portugal: a Nau e a Tormenta – conferência feita na Sala de Portugal da Sociedade de Geografia de Lisboa, em 9 de Maio de 1942. Na sessão solene de encerramento da «Semana Colonial» - Fernando Emygdio da Silva, prof. da Faculdade de Direito

Consultar todos os textos »»

 
Música de fundo: "PILGRIM'S CHORUS", from "TANNHÄUSER OPERA", Author RICHARD WAGNER
«Salazar - O Obreiro da Pátria» - Marca Nacional (registada) nº 484579
Site criado por Site criado por PRO Designed :: ADVANCED LINES