12 de dezembro de 2018   
>> PÁGINA INICIAL/TEXTOS
..:. TEXTOS

(Continuação)

Pela mesma ocasião, também o coronel Raul Esteves pediu a demissão, atitude que acabou por abandonar a pedido de Gomes da Costa.
Por fim o nome do eng. Ezequiel de Campos é posto de parte e o comandante Jaime Afreixo aceita a pasta da Marinha.
O grande escândalo do dia será a publicação dum suplemento ao Dário do Governo n.° 119, da I Série, onde é publicada a Lei 1872, que diz textualmente assim:
«Em nome da Nação, o Congresso da República decreta e eu promulgo a Lei seguinte:

Artigo I.° — São reconhecidos como revolucionários civis os cidadãos constantes da lista junta.
Artigo 2.° — São reconhecidos como revolucionários militares de 5 de Outubro de 1910 os cidadãos constantes na lista junta, os quais ficam ao abrigo das disposições da lei n.° 1158 de 30 de Abril de 1921, devendo a passagem à situação de reforma dos oficiais ser regulada pelas disposições do artigo I.° e a dos sargentos e demais praças pelas do artigo 2.° da mesma lei.
Artigo 3.º — Fica revogada a legislação em contrário.
(As duas listas referidas nos artigos I.° e 2.° publicadas a seguir incluem 179 nomes de indivíduos da classe civil e 21 da classe militar).
O Presidente do Ministério e Ministro da Marinha e interino das demais repartições a faz imprimir, publicar e correr.
Paços do Governo da República, 31 de Maio de 1926.

Bernardino Machado
José Mendes Cabeçadas Júnior»


que todo o caminho até ao Quartel General não me falou noutra coisa senão no grande valor dos srs. Drs. Oliveira Salazar e Manuel Rodrigues, o primeiro como um grande financeiro e o segundo como um jurista eminente.
Ouvi em silêncio aquelas apreciações e quando cheguei a Lisboa, depois da conferência com Gomes da Costa enviei um telegrama ao então sr. coronel Schiappa de Azevedo que comandava a Divisão pedindo-lhe para em meu nome convidar aqueles dois professores e mais o Dr. Mendes dos Remédios, para Ministros das Finanças, da Justiça e da Instrução. Quando na Amadora ficou assente o primeiro Governo Revolucionário inclui na lista os nomes dos três lentes.


O caso causou o maior escândalo e indignação em todo o País, sendo necessário o Governo vir em nota oficiosa dizer que a Lei fora assinada por lapso pelo sr. Cabeçadas e que este mesmo ia propor em Conselho de Ministros a sua revogação.
No dia 6 realiza-se, sob apoteóticas manifestações populares, a grande parada militar, entrando Gomes da Costa à frente das tropas em Lisboa. Na tribuna do Governo tomam lugar os representantes diplomáticos acreditados em Lisboa, o que é de certo modo a tácita afirmação do reconhecimento por parte das nações estrangeiras da nova situação.
No dia 7 Gomes da Costa toma posse das pastas da Guerra e das Colónias. Também o general Alves Pedrosa toma posse da pasta da Agricultura e o comandante Jaime Afreixo da da Marinha. Os ministros dos Estrangeiros, Justiça e Instrução haviam tomado posse no dia 4.
Pelas 16 horas realizou-se o Conselho de Ministro no Palácio de Belém, que não forneceu qualquer nota à imprensa.

(Continua)

Documentos Históricos (41)

A arrancada de 28 de Maio de 1926, por Óscar Paxeco – 1956.
Elementos para a história da sua preparação e eclosão.

A opinião de Sinel de Cordes (III de III)

Consultar todos os textos »»

 
Música de fundo: "PILGRIM'S CHORUS", from "TANNHÄUSER OPERA", Author RICHARD WAGNER
«Salazar - O Obreiro da Pátria» - Marca Nacional (registada) nº 484579
Site criado por Site criado por PRO Designed :: ADVANCED LINES