14 de dezembro de 2018   
>> PÁGINA INICIAL/TEXTOS
..:. TEXTOS

(Continuação)

E chega a altura de referirmos o que, ao mesmo tempo, se passava em Lisboa.
Independentemente da organização de Sinel de Cordes e portanto da de Gomes da Costa e dos seus tenentes, formara-se um «Comité Revolucionário» composto pelos comandantes Mendes Cabeçadas e Armando Ochôa, major Manuel Valente, capitão Jaime Baptista e tenente Carlos Vilhena, que logo fazia distribuir a seguinte proclamação:

«Pela Pátria e pela República Portuguesa — Soou, enfim, a regeneração da Pátria. Um movimento dominador inspirado na defesa dos mais sagrados interesses, em que cooperam Povo, Exército e Marinha, alastra pelo País inteiro. Sem preocupações de castas, de partidos ou de personalismos visa essencialmente a criar um Exército forte e disciplinado e a robustecer o próprio poder civil pela selecção das competências, tornando possível dentro das instituições vigentes a satisfação das mais instantes reivindicações nacionais.
«Homens de todas as opiniões e de todos os credos aparecem irmanados na luta contra uma política ruinosa e imoral que tem afrontado todos os sentimentos de justiça e desvirtuado os nobres princípios que se consubstanciam na ideia da República.
«Quinze anos de criminoso desleixo, de cega imprevidência, de baixa disputa de interesses pessoais, provocaram a corrupção dos caracteres e das inteligências e a dissolução dos costumes ofuscando a recordação das brilhantes tradições que firmaram perante o Mundo civilizado a glória do Povo Português.
«Alguns factos bastam com o seu eloquente significado, para revelar o estado de profunda decadência a que chegámos e os perigos que ameaçam as condições vitais internas e externas do País.
«Um Governo de medíocres sem capacidade para tomar as medidas de salvação que as circunstâncias impõem, e sem energia ou autoridade para coibir os desmandos dum partidarismo desregrado.
«Um Poder judicial enfraquecido e desprestigiado sem condições para assegurar a independência dos magistrados e sem normas eficazes para reprimir as violações da Constituição ou punir as ofensas contra a vida ou propriedade dos cidadãos.
«Um Chefe de Estado reduzido à posição humilhante dum simples ofício de chancela, sem acção e sem responsabilidade, tendo de assistir impassível a todos os atropelos à lei e a todas as violências do Poder.
«Uma força militar que contém em si as melhores energias e aptidões quase desprovida de recursos e de meios de defesa, e constantemente sacrificada às conveniências e arbitrariedades dos políticos;
«Uma situação económica aflitiva, sem habitações bastantes para a população, sem a garantia primordial das subsistências, sem vias de transporte e comunicações regulares, sem indústrias, sem comércio com vida própria, e sem meios de circulação, com um valor real e estável;
«Um tesouro quase exausto, esmagado pelo aumento desmedido das despesas e servido por uma rede asfixiante de impostos com uma larga dívida de Guerra em aberto;
«Uma instrução deficiente, mal descriminada e desconexa, sem a lógica coordenação dos ramos de ensino, sem um Magistério devidamente habilitado e sem métodos apropriados às qualidades da Raça e condições do meio social;
«Um poderoso império colonial entregue à cobiça de aventureiros com direcção inepta e sem um plano que conjugue e impressione os grandes e porfiados esforços das iniciativas individuais;
«É contra esta situação que é preciso reagir, procurando

(Continua)

Documentos Históricos (21)

A arrancada de 28 de Maio de 1926, por Óscar Paxeco – 1956.
Elementos para a história da sua preparação e eclosão.

Lisboa agita-se... — Uma proclamação-legenda certa da vida nacional (I de III)

Consultar todos os textos »»

 
Música de fundo: "PILGRIM'S CHORUS", from "TANNHÄUSER OPERA", Author RICHARD WAGNER
«Salazar - O Obreiro da Pátria» - Marca Nacional (registada) nº 484579
Site criado por Site criado por PRO Designed :: ADVANCED LINES