24 de março de 2017   
>> PÁGINA INICIAL/TEXTOS
..:. TEXTOS

CONTINUIDADE GOVERNATIVA

— Tinham razão os portugueses que levaram o Sr. Presidente ao lugar onde está. Não se tem arrependido o País — bem pelo contrário! — da longa e feliz permanência do Sr. General Carmona no mais alto cargo da Nação. Essa continuidade trouxe, por sua vez, a continuidade governativa e essa tem sido, quanto a mim, o segredo da situação...

O Sr. General Carmona confirma com vivacidade:

— Evidentemente! Sem continuidade governativa não há obra que resista, que chegue ao fim. Tenho defendido essa continuidade e continuarei a defendê-la porque a julgo essencial à vida do regime, do Estado Novo. As primeiras experiencias dum Governo são sempre hesitantes, desorientadas. Há que dar tempo ao tempo e deixar os ministros assenhorearem-se dos negócios das suas pastas. É preciso perdoar-lhes os primeiros erros cometidos, algumas ingenuidades em que os façam cair. Não se pode semear sem se conhecer bem o terreno que se pisa... Um Governo que caia ao fim de seis meses, ou mesmo ao fim dum ano, não se pode dizer que tenha falhado, porque a verdade é que não chegou a governar...

Insisto:

— Não se tem arrependido, portanto, da confiança que tem dado, por exemplo, ao actual Governo em cuja obra se demonstram, precisamente, as vantagens dessa continuidade...

E o Sr. General Carmona:

— Arrependido?! Se o senhor soubesse o que eu tenho lutado para que essa continuidade não se parta... Ela é indispensável à vida e ao progresso da Nação e do Estado Novo. Sabe qual foi o único período próspero da marinha portuguesa antes do nosso e depois do período dos descobrimentos? Aqueles vinte anos em que Martinho de Melo e Castro foi ministro da Marinha... É claro que a continuidade tem um limite, o limite da fadiga. Mas esse limite faz-se logo sentir no afrouxamento da obra, numa quebra de ritmo que felizmente ainda nem sequer se anuncia...

Documentos Políticos (05)

António Ferro no decorrer da entrevista, com o Presidente Carmona, 1934. Edição SPN Lisboa, pág. 13-14

Consultar todos os textos »»

 
Música de fundo: "PILGRIM'S CHORUS", from "TANNHÄUSER OPERA", Author RICHARD WAGNER
«Salazar - O Obreiro da Pátria» - Marca Nacional (registada) nº 484579
Site criado por Site criado por PRO Designed :: ADVANCED LINES