24 de agosto de 2017   
>> PÁGINA INICIAL/TEXTOS
..:. TEXTOS

Possuir a riqueza e usá-la em harmonia com os fins do homem e o progresso moral da humanidade; tê-la como um encargo confiado à nossa inteligência e à nossa iniciativa, para que façamos frutificar em benefício de todos; sujeitá-la a nós para que nos sirva e sirva os nossos irmãos mas não nos escravizarmos a ela, para que o Senhor nos veja pobres em espírito, — que enormíssima revolução! É a produção assegurada dos bens necessários à sustentação de todos, é consumo como aproveitamento e não é como utilização de bens; é o luxo reduzido a uma função de beleza; é a miséria vencida, é a tranquilidade na segurança do futuro.
Tomar o trabalho próprio e alheio com amor, desempenhá-lo com zelo, aceitá-lo com alegria; ter o orgulho da profissão, pela consciência da sua utilidade e pela perfeição própria do trabalho executado; sentir a nobre honra de contribuir com um esforço útil para a colectividade e sentir o vexame duma ociosidade parasitária, — que revolução prodigiosa! É o rendimento do trabalho humano mais elevado, é uma quota
elevada da riqueza distribuída a cada um, é uma mais equitativa repartição do trabalho no mundo, é um avanço enorme no caminho moral da humanidade, mais desembaraçada de preocupações materiais para a cultura do espírito.



O CORPORATIVISMO PORTUGUÊS (01)

(«A Paz de Cristo na classe operária pela SS. Eucaristia» — Discurso no Congresso Eucarístico de Braga, em 14 de Julho) – 1924

Consultar todos os textos »»

 
Música de fundo: "PILGRIM'S CHORUS", from "TANNHÄUSER OPERA", Author RICHARD WAGNER
«Salazar - O Obreiro da Pátria» - Marca Nacional (registada) nº 484579
Site criado por Site criado por PRO Designed :: ADVANCED LINES