22 de outubro de 2017   


Ver mais fotos

(Continuação)

Parece-nos preferível a qualquer outra descrição do que foi a viagem de Gomes da Costa até ao Porto, e o acolhimento dispensado na Cidade Invicta ao Chefe da Revolução, recolher aqui a já feita por Charters de Azevedo.
Pouco depois de iniciada a viagem, Gomes da Costa perguntou-me:
— Então nós sempre embarcamos em Paialvo?
Limitei-me a responder-lhe.
— Talvez, meu general. As circunstâncias é que hão-de determinar a forma de nós chegarmos ao Porto.
Nas Caldas da Rainha fomos multados pela Polícia das Estradas. Resolvemos o assunto sem que os guardas nos descobrissem. Tomámos o rumo de Alcobaça e fomos jantar ao «Galinha».
Daqui seguimos para Coimbra onde sem nenhum resguardo tomámos café.
Depois foi o caminho do Porto, onde nos dirigimos a casa do nosso amigo Camilo de Macedo. Aqui tomámos, no dia 27, o pequeno-almoço, e às II horas reunimos no Colégio da Boa Vista, onde éramos aguardados pela maioria dos oficiais da guarnição com o tenente-coronel Valente à frente (O tenente-coronel Valente era o Chefe do Estado Maior da Divisão, para quem Gomes da Costa, a conselho de Sinel de Cordes, levava urna carta de Filomena da Câmara).
Gomes da Costa expôs-lhe o que desejava: sair com a Revolução na capital do Norte.
O tenente-coronel Valente respondeu-lhe que os oficiais da guarnição não queriam iniciar o Movimento mas, no caso de ele eclodir chefiado por Gomes da Costa, não o hostilizariam.
Foi então que o general, virando-se para nós — Pinto Correia, Pereira de Carvalho e eu — exclamou:
— Vocês três e, eu quatro. Onde há aí mais um cabo e quatro soldados para se rebentar com isto (A frase do General foi até mais contundente…)? Somos mais do que suficientes...
Em seguida, Pereira de Carvalho perfilou-se e declarou solenemente:
— Meu general, dou a minha palavra de honra de que a guarnição de Braga está pronta a obedecer a V. Ex.a, incondicionalmente, e a iniciar o Movimento!
Secamente Gomes da Costa respondeu:
— Está bem, então vamos embora. E voltando costas à selecta assistência saiu seguido por nós. Dentro de pouco partíamos para Braga, onde chegámos à noite.

(Continua)

Documentos Históricos (10)

A arrancada de 28 de Maio de 1926, por Óscar Paxeco – 1956.
Elementos para a história da sua preparação e eclosão.

A viagem desde Lisboa e a atitude da Cidade Invicta.

Consultar todos os textos »»

27/07/2017
47º Aniversário da morte do Prof. Salazar
Saber mais ...

27/04/2017
128°Aniversário nascimento Prof. Salazar
Saber mais ...

12/01/2017
Reabertura
Saber mais ...

Ver todos os Destaques ...

 


O Conselho de Ministros aprovou um apoio de 400 milhões de euros às vítimas dos incêndios.
Penso que seria de pensar duas vezes e revestir a medida das maiores cautelas.
Já não há dúvidas de que os fogos, na sua grande parte e de maior expressão - ... Ler mais »

Jose Anes


PARTIDOS POLÍTICOS = ASSOCIAÇÕES MAFIOSAS E CORRUPTORAS
Os interesses do Estado estão entregues a indivíduos que são guindados aos lugares da gestão e administração pública não pela sua competência e valores mas antes pela sua militância partidária, ... Ler mais »

José Anes


PELO MENOS ISTO
O Instituto Português da Atmosfera e do Mar (IPMA) está a avisar que o risco de incêndio vai voltar a aumentar já a partir do dia 21, pelo menos até dia 25 de Outubro.
Se a Proteção Civil não poder reunir mais bombeiros. Se não conseguir ... Ler mais »

Artur Silva

6239
MENSAGENS RECEBIDAS
 
Música de fundo: "PILGRIM'S CHORUS", from "TANNHÄUSER OPERA", Author RICHARD WAGNER
«Salazar - O Obreiro da Pátria» - Marca Nacional (registada) nº 484579
Site criado por Site criado por PRO Designed :: ADVANCED LINES